• A ADPP Angola celebrou 30 anos criando desenvolvimento em todo o país, em parceria com o governo, comumidades e parceiros

  • A ADPP opera 45 projectos em 42 municípios de 18 províncias nas areas de educação, saúde comunitária, agricultura e desenvolvimento rural

  • Junto com o Ministério da Educação, a ADPP opera 15 escolas de formação de professores e graduou 9644 profesores primarias desde 1998

  • ADPP tem: 900 trabalhadores, 4000 voluntários, 1000 professores estagiários em 92 municípios, alcançando 700.000 pessoas

Escolas de Magistério ADPP Uíge

Breve Historial sobre a Escola
A Escola de Magistério ADPP-Uíge iniciou as suas actividades em 2007 como parte de um acordo entre o Governo Provincial do Uíge e a ADPP Angola, e com o apoio financeiro do Ministério das Relações Exteriores da Holanda, Humana Holland e da Sonangol.
Em Janeiro de 2017, 65 estagiários graduaram-se da Escola de Magistério ADPP-Uíge, perfazendo um número total de graduados até Janeiro de 2018 de 682, dos quais 190 são do sexo feminino.
 
Finalistas da Equipa 2015
A Equipa 2015, com 42 estudantes do sexo feminino e 56 do masculino, passaram o ano de estágio de longa duração nas comunidades rurais. Os estudantes foram encaminhados para 21 escolas primárias em Mussenga, Cari, Gunza, Congundo, Banza Lucunza, Cangulo, Quituia, Bumbe, Hinda, Bela Vista, Quibaba, Kibocolo, Maquela do Zombo, Vunje, Dala, Tuti, Dimuca, quisseque, Canzundo, Culo e Caiongo. Eles viajaram directamente aos municípios, de onde os diferentes grupos foram acompanhados para as escolas individuais pelos membros das autoridades locais. Cada grupo de estagiários levou consigo tarefas de estudo à distância, manuais de ensino, esboços de possíveis tópicos de pesquisa e ideias de microprojectos.  
A recepção dos estagiários variou de área em área, alguns estudantes foram recebidos pelas autoridades municipais antes de serem apresentados as suas comunidades anfitriões, enquanto outros foram recebidos directamente pelas comunidades, e apresentados aos directores escolares, Sobas, e pessoas em geral. As acomodações também variaram de habitações de boa qualidade e habitações que eram de um padrão muito mais baixo.  
O tamanho das salas de aula variou de 25 a 80 alunos, com quase 3.939 alunos beneficiando da presença da Equipa 2015. Os estagiários tinham um maior impacto na educação de muitas destas crianças, já que cerca de 780 estariam sem um professor. De facto, a presença da Equipa 2015 e o trabalho que eles realizaram incentivou muitas delegações municipais da educação, conselhos e comunas a exigirem mais dos estagiários para as suas áreas.   
Os microprojectos incluíram a construção de residências para professores, salas de aula e latrinas, e o estabelecimento dos clubes de jovens e campos comunitários ou hortas. Cerca de 3.800 pessoas participaram em 98 projectos, que os grupos de 4 a 5 estagiários implementaram, e 4.760 pessoas beneficiaram directamente enquanto mais de 2.400 beneficiaram directamente. 5 Residências para professores, 35 latrinas, 23 clubes de jovens e 35 hortas foram construídas ou criadas. 
Actividades comunitárias foram organizadas, e variavam entre palestras sobre doenças comuns como a Malária, palestras sobre violência doméstica, drogas e álcool, campanhas de limpeza nas nascentes dos rios, em locais públicos, escolas e na comunidade em geral, e debates com os jovens e idosos nas aldeias.
.
Os tópicos de investigação incluíram as razões por trás do abandono escolar, o absentismo as sextas-feiras, os altos níveis de absentismo da 6ª a 7ª classe, melhoria das casas de banho da escola, e a falta de professores. 
Todos os membros da Equipa 2015 escreveram relatórios no final do estágio, onde comentaram – entre muitas outras coisas – a necessidade de continuar os seus microprojectos, um aumento na colaboração entre a escola e as áreas onde os estudantes passaram o ano. 
Os exames no final do ano incluíram apresentações orais, bem como os relatórios. 
No início de 2018 realizou-se a cerimónia de graduação dos 98 professores, sendo 62 masculinos e 36 femininos. Desde o arranque da escola já graduaram 780 professores. 
 
Estudantes no 3º ano de formação (em 2016)
A Equipa 2016 compreendia 39 estudantes do sexo feminino e 56 do masculino que passaram o ano adquirindo experiência em 10 escolas primárias locais. 5.177 alunos nas turmas de 27 a 100 alunos, beneficiaram da presença da Equipa 2016. Os estagiários trabalharam em pares, ajudando os professores permanentes, preparando e dando aulas. Eles frequentavam as escolas primárias de segunda a quarta das 7.30 da manhã até às 12 da tarde, e dirigiam actividades extracurriculares no período da tarde das 14.00 às 16.00. Estas actividades variavam entre campanhas de limpeza no mercado municipal a campanhas de consciencialização sobre a Malária.
Os períodos 10 e 13 na segunda metade do semestre do ano lectivo abordou a questão do trabalho comunitário e preparou os estudantes para este aspecto do estágio de longa duração nas escolas rurais. Eles estudaram a Carta da Humana People to People e as seis disciplinas de Líder Comunitário, Porta-Voz da Mulher, Activista de Saúde, Produtor de Alimentos, Empreendedor e Activista de Media e Informação. Os estudantes passaram o tempo em 15 localidades em 4 comunas, pesquisando os problemas enfrentados pelos pobres e decidindo que acções podiam ser implementadas para ajudá-los. Aproximadamente 9.000 pessoas estavam envolvidas ao longo dos dois períodos, e os estudantes adquiriram um conhecimento mais profundo das comunidades em questão. Eles sentiram que o período de investigações poderiam ser mais longos e que mais acções comunitárias podiam ser realizadas, em colaboração com as autoridades locais. 
25 estudantes escolheram Activista de Saúde, 34 escolheram Porta-Voz da Mulher, 10 escolheram Empreendedor e 30 escolheram Líder Comunitário. Cada um iniciou a fazer planos para as acções e actividades que implementariam durante o estágio de longa duração, descrevendo o que eles achavam que seria o seu papel na comunidade, e como eles alcançariam sua meta. Os exemplos incluíram campanhas contra a Malária e o Empoderamento das raparigas nas escolas primárias.  
Quando não estão no estágio, os estudantes continuaram os seus estudos, frequentaram cursos, e cumpriram o resto do programa do 2º ano. Eles fizeram exames em Química, Física, Biologia, Gestão e Administração Escolar no final do primeiro semestre, e no final do segundo semestre.
O estágio provou ser um grande sucesso, e mais professores primários em serviço estavam envolvidas do que nos anos anteriores. A Equipa 2016 participou na planificação de reuniões da ZIP (Zona de Influência Pedagógica), onde eles contribuíram para as discussões sobre como melhorar a qualidade da educação primária. Os estudantes colocaram muitas das suas ideias em práticas, como o Clube de Matemática dirigido pelo Grupo Nuclear 8 assim como a actividade extracurricular. Não só os estudantes ajudaram a melhorar o nível de entendimento em Matemática entre os alunos, eles conseguiram criar um gosto pela disciplina. Esta actividade, e outras de natureza similar, decorreram de Setembro a Outubro para permitir que os estagiários tivessem tempo para identificar e ajudar os alunos mais fracos antes dos exames finais.
No final do ano lectivo, a Escola de Magistério ADPP-Uíge e a Equipa 2016 concluíram planos para o estágio em 2018. A escola contactou as administrações municipais e comunais, tarefas de estudos à distância foram organizadas, assim como os esboços dos microprojectos.  
 
Estudantes no 2º ano de formação (em 2017)
A Equipa 2017 iniciou o ano lectivo no dia 5 de Fevereiro, com 43 estudantes do sexo masculino e 33 do feminino. Eles foram bem-recebidos numa reunião geral, e a Equipa 2016 organizou uma Noite de Café no primeiro sábado para celebrar a sua chegada. Levou tempo a familiarizarem-se com os novos arredores, forma de estudar, alimentação e vida no internato da escola em geral.   
 O primeiro período de estudos, cursos e experiências foram integrados no programa de preparação para os meses de viagem de estudo que a equipa estava para embarcar no segundo período. Eles frequentaram reuniões comuns, realizaram investigações locais, realizaram cursos em saúde, economia e orçamento e planearam as rotas da viagem. As rotas escolhidas iam do Uíge ao Kwanza Norte, Malange, Kwanza Sul e Huambo, com investigações sobre a história dos diferentes locais a serem visitados, cultura, recursos naturais, educação, agricultura e muito mais. Os pontos de referência históricos, Igreja de Camabatela, as Quedas de Calandula, Biocom para produção de cana-de-açúcar, fazendas no Porto Amboim, e as Reservas do Estado estavam todas na lista, assim como era viver com as famílias nas diferentes regiões, que forneciam os estudantes com uma visão de vida em outras partes de Angola.   
A própria jornada iniciou no dia 1 de Junho, e os estudantes concluíram o plano de pesquisa e investigações, visitando as administrações públicas, serviços de saúde, escolas, fazendas, fábricas e até mesmo o Reino do Bailundo. No regresso à Escola de Magistério ADPP-Uíge, os estudantes prepararam e fizeram apresentações das suas experiências nas administrações municipais do Negage, Puri, Quitexe e Songo, no Puniv e nas escolas secundárias de Castanheiro no Negage. 
Entre as disciplinas estudadas no primeiro ano estavam Comunicação, Informática, O Mundo no qual Vivemos, Noções Básicas de Economia, Língua Inglesa/Francesa, Psicologia, Introdução a Sociologia, Produção e Gestão, Produção de Alimentos, Geografia, História, Química, Biologia, Viver com Saúde até à Velhice, Língua Portuguesa, Matemática, Ciências da Natureza, e Didácticas das três últimas disciplinas. Os exames do primeiro semestre foram realizadas nas disciplinas de Informática, Economia, Viver com Saúde até à Velhice e Sociologia, e os resultados foram positivos. Os exames do segundo semestre foram nas disciplinas de História, Língua Inglesa/Francesa, Informática e Comunicação, e os resultados também foram positivos. Durante o período de revisão, os estudantes trabalharam nos seus grupos nucleares, e qualquer em risco de não passar recebeu ajuda extra do corpo docente.   
 
 
20180329 161916

20180329 161916

20180320 130246

20180320 130246

 

Contacto ADPP Angola

ADPP Angola
Rua João de Barros, 28
Luanda CP 345
912 31 08 60
adpp@adpp-angola.org
Facebook.com/adppangola
Comentários ou consultas no site:
webmaster@adpp-angola.org