• A ADPP Angola celebrou 30 anos criando desenvolvimento em todo o país, em parceria com o governo, comumidades e parceiros

  • A ADPP opera 45 projectos em 42 municípios de 18 províncias nas areas de educação, saúde comunitária, agricultura e desenvolvimento rural

  • Junto com o Ministério da Educação, a ADPP opera 15 escolas de formação de professores e graduou 9644 profesores primarias desde 1998

  • ADPP tem: 900 trabalhadores, 4000 voluntários, 1000 professores estagiários em 92 municípios, alcançando 700.000 pessoas

Escolas de Magistério ADPP Malange

Breve Historial sobre a Escola
A Escola de Magistério ADPP-Malange foi estabelecida através da colaboração da ADPP e o Ministério da Educação, em parceria com a organização AECID da Espanha e a Sonangol. A construção começou em Junho de 2007 e a primeira equipa, que começou no mesmo ano, moveu-se para as novas instalações em Março de 2008. A escola foi oficialmente inaugurada em 2009. 
 
Finalistas da Equipa 2015
Havia 95 estudantes matriculados na Equipa 2015. Os estudantes passaram o ano lectivo em estágio nas escolas primárias rurais e realizaram microprojectos para o benefício das suas comunidades anfitriãs. Os estudantes trabalharam em 17 escolas nas áreas rurais de Malange. 
A maioria dos estudantes tiveram um bom início, embora um grupo teve de ser recolocado numa outra escola, pois as condições de alojamento eram tais que não podiam ser alojados na sua comunidade anfitriã original. Todos os grupos levaram consigo materiais de ensino que eles próprios produziram, juntamente com manuais e guias. Eles foram bem recebidos nas suas comunidades anfitriãs, que estavam satisfeitas por terem-nos na comunidade. Os Sobas comentaram sobre como os estagiários passados trabalharam arduamente e organizaram muitas actividades escolares. 
5.250 Alunos beneficiaram da presença da Equipa 2015. O número de alunos por turma variava de 28 a 60, sendo está última onde não havia outros professores. Algumas aulas eram dadas dentro das igrejas, ou eram realizadas no quintal da igreja, enquanto outras eram basicamente a sombra de uma árvore ou numa casa desabitada. 
Entre os microprojectos implementados pelos estudantes estavam as hortas e campos, alfabetização, clubes de Língua Portuguesa e Língua Inglesa, construção de latrinas, plantação de árvores, clubes desportivos e a construção de salas de aula. Cerca de 835 pessoas beneficiaram dos projectos. Além do acima descrito, os estudantes organizaram acções de limpeza nos mercados municipais e comunais, cavaram buracos para colocar o lixo, aulas de nutrição e eventos culturais sob o nome de Domingos Abertos. Eles estavam bem equipados para as tarefas, e capazes de envolver as entidades locais e a comunidade como um todo.  
Visitas de supervisão foram feitas nas áreas onde os estudantes estavam a trabalhar. A comunicação era mantida por telefone, e através de reuniões organizadas quando os estudantes chegassem à cidade para comprar comida e itens essenciais básicos.
No início de 2018, foram graduados 92 professores, sendo 67 masculinos e 25 femininos. Deste o início da escolas já foram graduados 729 professores.
 
Estudantes no 3º ano de formação (em 2016)
A Equipa 2016 tinha 69 estudantes, que estavam no seu segundo ano e passaram uma grande parte do ano adquirindo experiência nas escolas primárias locais. Eles estavam a trabalhar três dias por semana, três a quatro semanas, em quatro escolas primárias locais: Escola da Missão do Lombe, Escola Primária 5 no Gika, Escola Primária da Passagem e Escola Primária da Cafundanga. 3.285 alunos beneficiaram da presença da Equipa 2016. 
Os estudantes ajudaram na sala de aula, e começaram a dar as suas próprias aulas. As aulas começavam às 7:30 da manhã e terminavam às 12:00. Depois do almoço, os estudantes organizavam actividades extracurriculares com os alunos.    
Um exemplo da semana dos estudantes na Escola de Magistério ADPP-Malange é a seguinte.
- Domingos Abertos, com troca de experiências entre as Equipas 2016 e 2017 sobre os três meses da viagem de estudo, na presença dos convidados, seguido por uma visita as Quedas de Calandula que o Vice-Administrador mostrou aos estudantes e professores.  
- Segunda a Quarta: Prática de ensino, actividades extracurriculares, seguido por planificação de aulas e a produção de materiais didácticos. 
- Quinta a Sexta: Estudos e cursos na Escola de Magistério ADPP.
- Sábado: Várias actividades, algumas das quais incluíram campanhas nas escolas onde os estudantes estavam em estágio, visita a casa dos alunos e reuniões com os pais. 
 
A Equipa 2016 estudou e realizou exames nas disciplinas de Biologia, Geografia, Introdução a Sociologia, História, Química e Viver Saudável até à Velhice. Os resultados foram positivos. 
Os esforços dos estudantes tiveram um impacto importante, já que eles estavam a cumprir o papel de professores apesar de estarem apenas no segundo ano da sua formação. Fora das escolas, eles desempenharam um papel igualmente significativo, conhecendo as famílias dos seus alunos, assegurando que os alunos frequentassem as suas aulas, trabalhando ao lado dos membros mais pobres da sociedade e realizando acções de limpeza na comunidade.  
Quando não estiveram a adquirir experiência de ensino, os estudantes da Equipa 2016 continuaram a completar as tarefas de estudo usando o sistema DMM. Se o servidor não estiver a funcionar, eles tinham sempre a alternativa de recorrer aos meios mais tradicionais, isto é, material impresso.   
 
Estudantes no 2º ano de formação (em 2017) 
16 Estudantes do sexo feminino e 34 do masculino formaram a Equipa 2017. Eles chegaram à Escola de Magistério ADPP-Malange no dia 3 de Fevereiro para uma recepção organizada pela Equipa 2016, e depois começaram a estudar o primeiro dos três períodos do programa do programa do primeiro ano da Escola de Magistério ADPP. 
A preparação para os três meses de viagem foi ajudada pelas discussões entre a Equipa 2017 e a Equipa 2016, a última a explicar alguns desafios a serem enfrentados, e os muitos benefícios de realizar a viagem. 
As rotas foram estudadas e seleccionadas, e os estudantes decidiram visitar Calandula, Cacuso, Cangandala e Quela antes de continuarem no Kwanza Norte, Uíge, Bengo e Luanda. Entre as investigações planeadas para a viagem foi uma no antílope giganteada de Cangandala, outra sobre as Quedas de Calandula, uma sobre a Baixa de Cassanje, as Pedras de Pungo Andongo em Cacuso, a barragem de Laúca (em construção), e a produção de café no Uíge, a história por trás do “Jacaré Bangão” no Bengo e muito mais. Os estudantes também aprenderiam sobre a vida nas áreas rurais. 
As disciplinas estudadas no primeiro semestre foram História do Mundo, Introdução a Sociologia, Química, Biologia, Língua Portuguesa e Viver Saudável até à Velhice. Dois exames foram realizados nas disciplinas de História e Viver Saudável até à Velhice. Os resultados foram positivos. 
Um dos destaques da viagem de estudo foi visitar o Rei do Bailundo. Não foi fácil chegar ao lugar em questão, porque os estudantes primeiro tinham de seguir alguns rituais da tradição local. Depois de três dias, eles conseguiram chegar à Ombala, que é um dos lugares onde os rituais ocorreram. Os estudantes aprenderam muito aqui, incluindo a compreensão das formas tradicionais de resolver problemas. Isso implicou a aproximação ao Rei com uma reclamação e recebendo recomendações. Antes de resolverem o conflito ou problema, eles tinham de trazer comida como uma cabra, um saco de farinha de mandioca, uma bebida tradicional, ou alguns outros suprimentos, e só assim o processo de resolução do problema começava. Se a pessoa não oferecesse alguma coisa ao Rei, ele não prosseguiria. Por outro lado, a pessoa ou pessoas contra quem o caso foi levado tinha de pagar o dobro se perdesse.  
 
Ficar com famílias foi outro destaque. Os estudantes aprenderam como as famílias rurais viviam e como funcionava a agricultura de subsistência, muitas vezes sem dinheiro. Eles adquiriram experiência em primeira mão do cultivo da cana-de-açúcar, milho, feijão, jinguba e mandioca, usando fertilizantes naturais e de acordo as épocas.  
 
A Equipa 2017 aprendeu a viver juntos e a resolver conflitos dentro da comunidade, isto é, na escola. O segredo estava na cooperação e divisão de tarefas, e o sistema de grupos nucleares onde cada grupo nuclear era responsável por uma determinada área da escola e da vida quotidiana. Esta forma de trabalhar em conjunto e colaborar com outros colocaria os estudantes em boa posição nas futuras carreiras. 
 
 
Visita dos estudantes a um laboratório

Visita dos estudantes a um laboratório

Teatro também faz parte das actividades dos estudantes

Teatro também faz parte das actividades dos estudantes

Contacto ADPP Angola

ADPP Angola
Rua João de Barros, 28
Luanda CP 345
912 31 08 60
adpp@adpp-angola.org
Facebook.com/adppangola
Comentários ou consultas no site:
webmaster@adpp-angola.org