• A ADPP Angola celebrou 30 anos criando desenvolvimento em todo o país, em parceria com o governo, comumidades e parceiros

  • A ADPP opera 45 projectos em 42 municípios de 18 províncias nas areas de educação, saúde comunitária, agricultura e desenvolvimento rural

  • Junto com o Ministério da Educação, a ADPP opera 15 escolas de formação de professores e graduou 9644 profesores primarias desde 1998

  • ADPP tem: 900 trabalhadores, 4000 voluntários, 1000 professores estagiários em 92 municípios, alcançando 700.000 pessoas

História de Sucesso - Ntekela Ndombi

Estou a trabalhar na Direcção Municipal da Saúde do Maquela do Zombo. Sou o Supervisor Municipal do VIH/SIDA e sou também responsável pelo centro de testagem do VIH. Maquela do Zombo é uma área com condições favoráveis para proliferação de mosquitos, pois chove muito durante o ano. A ideia de consciencialização da comunidade e de levar os serviços de saúde directamente à comunidade muda realmente a vida das pessoas. Tenho experimentado um comparecimento maior nas consultas pré-natais no nosso município. Tivemos uma história de mulheres grávidas que não frequentaram as consultas pré-natais. Elas preferiram dar à luz em casa, onde nenhuma profilaxia da malária foi administrada, e nenhum teste do VIH foi feito, colocando as mulheres em maior risco de contraírem a malária e também de infectarem os filhos por nascer no caso das mães que eram portadoras do VIH. Com as mulheres e as crianças menores de cinco anos sendo o grupo mais vulnerável com relação à malária, a consciencialização comunitária influenciou um maior comparecimento das mulheres grávidas que chegam às consultas pré-natais. 

O que isso significa para o município? Muitas das mulheres frequentaram consultas pré-natais, o que significa que elas são monitoradas durante a sua gravidez. Desde que os Agentes Comunitários de Saúde começaram a informar e a mobilizar as mulheres grávidas para frequentarem às consultas pré-natais, nós fizemos o teste do VIH nelas. Também administramos prevenção da malária (profilaxia) e isso reduziu os casos da malária entre as mulheres grávidas. Para aquelas que o teste deu positivo, elas fazem imediatamente o tratamento para que elas reduzam o risco de infecção ao filho por nascer. Além disso, a sua saúde é monitorada e elas experimentam um parto seguro sem complicações. 

No ano passado, tive a oportunidade de participar no treinamento da testagem do VIH para os Agentes Comunitários de Saúde. Foi um grande passo para o município em geral. Algumas pessoas chegam para fazer o teste do VIH no centro e algumas fazem o teste do VIH como teste de rotina – por exemplo, quando alguém está doente e é solicitado para fazer o teste do VIH. Depois deste treinamento para permitir que os Agentes Comunitários de Saúde realizam testagem do VIH, começámos uma campanha de testagem domiciliar do VIH, pois tínhamos cerca de 4.000 kits de teste do VIH que estavam prestes a expirar. Apesar de um bom número de pessoas comparecem no centro para fazerem um teste do VIH haviam muitas mais pessoas que não estavam preparadas para reservar um tempo para irem ao centro para a testagem. Durante esta campanha, testámos 2.094 pessoas na própria comunidade e nos quarteis. 

Desde 2018, registamos apenas um novo caso de VIH entre as mulheres grávidas que fazem as consultas pré-natais. Isto mostra controlo e mudança de comportamento. Também tenho visto uma maior aderência entre as pessoas no tratamento antirretroviral. Desde 2017, não temos verificado nenhum abandono no tratamento antirretrovirais. Temos 100% aderência para todas as pessoas no tratamento antirretroviral e TB. Esta aderência é também para a testagem domiciliar do VIH. Com testes suficientes, nós podemos ajudar o nosso país a alcançar 90/90/90. Há muitas práticas boas acontecendo nas famílias e as campanhas de consciencialização têm um grande impacto nas nossas comunidades. 

O projecto também inspirou o município: Em 2019, as mulheres grávidas devem ser acompanhadas às consultas pré-natais pelos seus esposos, receber o aconselhamento e testagem do VIH como casal e promover a abertura e apoio entre os casais. 

Supervisor Municipal do VIH/SIDA 

professional, the Municipal HIV/AIDS Supervisor

professional, the Municipal HIV/AIDS Supervisor

Contacto ADPP Angola

ADPP Angola
Rua João de Barros, 28
Luanda CP 345
912 31 08 60
adpp@adpp-angola.org
Facebook.com/adppangola
Comentários ou consultas no site:
webmaster@adpp-angola.org

Relatório Anual de 2018 da ADPP Angola

fb share

45 projectos em 42 municípios nas 18 províncias: Conheça tudo no nosso novo relatório